domingo, 8 de agosto de 2010

Farol

Fico pensando sobre a chama que sustenta
Todo o sentir livre e muito ardente,
Amor ou mero desejo somente?


Não sou nenhum romântico, poeta apenas
Sem pretensões tais às centenas
A questionar sentimento agora


Destes mesmos que não se têm a toda hora,
Destes que enfeitiçam os ares da vida,
Fazem tocar em vôo a face do lençol de ida


Das águas nascentes dum bravo rio a doirar
O sol, e sua superfície de luz a estoirar
Raios que se vão aos crepúsculos dos dias.


E o que se dizer sobre a chama de quem ama?
Chama vezes distante, mas sentida, e tão tamanha


Que parece farol do porto de névoa encoberto
A indicar por onde se navegar, o caminho tão certo.


Luiz Rosa Jr.