domingo, 4 de janeiro de 2009

Era'Amo'Rosa

Olhar murcho nov’oasis pressente,
Jog’as lágrimas das quais ressente,
Fértil terra de fé germina semente,
A vid’abstrata concretiza presente,

Choro as pétalas das flores da mente!
Desabrocham roxas dores amorosas,
Perfuma essênci’adentrada das rosas,
Cativos desequilíbrios de lado deixo.

Privado nas salas floridas não me queixo,
Roseiral d’alma amada desabrocha,

Nervos serão somente uma rocha?

Imortalidade exal’amor imperando,
Realidade que a mentira viv’esperando,

E eu por amores construtivos rezando.

Luiz Rosa Jr.