quinta-feira, 22 de junho de 2017

Dos poemas de amor raros

O amor tem essa coisa estranha
Que faz suspirar a alma e entranha,
De fazer tão perto quem não está

Assim como se estando à vizinhança e lá
Tão longe aos astros angélicos a forrar o céu.

Descalços estamos à grama longa e livre,
Estou a sentir pulsar o que talvez nunca tive,

Talvez quem está do meu lado nem sinta
Ou perceba o bater forte, meu peito, é minha

Talvez a estranha sensação e sã loucura
Que diante de dores profundas faz-se a cura.

Se tu soubesses cada abraço teu que desejo,
Cada dia ao teu lado que almejo,
Cada sonho e sorriso teu lindo que vejo,

Estou muito a sonhar contigo enquanto é dia
Mas já não sei se estarei à noite
Ao vir cruelmente chicotear-me o açoite

Da consciência da realidade anoitecendo o firmamento.

Porém, agora, dane-se tudo, quero ter em pensamento

Tão somente teu sorriso tão lindo, que faça-me sonhar,

Faça-me tão brevemente viver, ah que faça-me sonhar.

Luiz Rosa Jr.