quinta-feira, 1 de julho de 2010

Asas

Escreverei a ti uma canção, será constante
E se fará nas asas dos ventos
Para que voe sempre comigo pelo firmamento.


Estou fraco, mas creio qu’esta não cessará,
Estará firme a cruzar oceanos,
Tantos horizontes, o nosso instante não errará.


E como soa, voa a mente num par de asas
Sobre as mesmas cinzas casas,
E se vai coroando esses ares em contradança


Como folha planando nesse infinito poente
E nascente para se sempre
Recordar, estou de fato a teu lado e por entre


Essas nuvens que tocamos sem ter pudor
Mas com uma tal inocência
Que até os céus choram por nós a sim supor


E se não é desses anjos a essência do amor.


Luiz Rosa Jr.